Pamela Facco trabalha desde 2014

a presença humana inserida em grandes espaços naturais. Sua obra tem como base a pesquisa com os personagens insulares cuja alegoria a solidão temporal é expressa de forma poética e por ângulos inusitados.